A Europa começa a acabar com o confinamento: E quanto aos Direitos Humanos dos Migrantes e dos Refugiados?

, par  Groupe de Travail TPP/Mobilisation

A crise do coronavírus deixou milhares de mortos na Europa, mas também viu nascer novas solidariedades, a partir de baixo, entre e para os mais discriminados, aqueles "não-corpos" que em todos os países surgiram para enfrentar o mais sério desafio para a humanidade em muitos anos. Vimos também que os Estados podem, quando escolhem, investir milhões de euros para salvar corporações, empregos e vidas humanas.

Pedimos aos governos da UE que acabem com seus acordos bilaterais de externalização de fronteiras (com a Líbia, Turquia, Marrocos), onde os recuos estão resultando em detenções em condições terríveis em campos nesses países terceiros e que também parem seus investimentos em equipamentos militares. Ao invés disso, é urgentemente necessário que a UE e seus Estados-membros retomem a responsabilidade de salvar vidas e garantir o exercício dos direitos humanos a todos os migrantes e refugiados.

É urgentemente necessário que a UE e seus Estados-membros retomem a responsabilidade de salvar vidas e assegurar o exercício dos direitos humanos a todos os migrantes e refugiados. Não podemos continuar negando os direitos daqueles milhões de pessoas que compõem as comunidades e povos migrantes e refugiados.

14 de maio de 2020

Navigation

Journal des Alternatives, une plateforme altermondialiste

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS