Dossiê: Movimentos sociais no Haiti

, par  Pierre Beaudet, Plateforme altermondialiste, Sonia Fayman

A manutenção do poder do Presidente Jovenel Moise, apesar da constituição do país, desencadeou uma grave crise política. Praticamente todos as instituições, incluindo o judiciário, organizações religiosas, profissionais, movimentos populares e sindicais, estão chamando à resistência. Fora do país, os Estados Unidos e seu fiel aliado Canadá estão se agarrando ao assalto que tem ocorrido neste país durante a última década.

A implosão

Jovenel e seu predecessor, Michel Martelly, destruíram quase tudo, pilhando as receitas do Estado e a enorme ajuda venezuelana (US$ 4 bilhões) no que se tornou o escândalo Petro-Caribe. A infra-estrutura permanece em ruínas desde o terremoto de 2010, o desemprego afeta mais da metade da população, 50% do país vive abaixo da linha de pobreza. Os camponeses que fogem do campo estão se acumulando em favelas e se tornando presas de quadrilhas mafiosas militarizadas, que agem impunemente. A pobreza é agravada pela pandemia, o colapso das infra-estruturas de saúde e a falta de ajuda internacional coordenada.

A revolta

Ao longo de 2019 e 2020, os protestos populares continuaram a desafiar este poder. Os jovens têm estado na vanguarda na capital, a partir de coletivos descentralizados que se coordenam através das mídias sociais. Poderosos movimentos camponeses controlam regiões, especialmente no norte do país.

Repressão total

Neste contexto, a repressão se tornou a principal forma de governança. Massacres em grande escala, fuzilamentos de manifestantes desarmados e, cada vez mais, o terror de quadrilhas armadas agindo sob proteção policial através de seqüestros e assassinatos, tentam conter a multidão.

Impasses

Se a aparência de um Estado persiste, certamente é em grande parte devido à cumplicidade da chamada "comunidade internacional". Outro fator, e não o menos importante, é a divisão da oposição. As formações políticas estão divididas entre "moderados" (que gostariam de uma saída negociada e ordenada de Jovenel, com o apoio de certos estados estrangeiros) e "radicais" que esperam um processo de refundação. Ambos são divididos em subfrações que frequentemente se impõem pelo clientelismo. Entretanto, vários processos estão em andamento para reunir a galáxia da oposição em um momento em que o poder está literalmente desfacelado.

Recursos

A crise atual

Haïti: minuit et cinq, 6 de fevereiro de 2021

Gangues armadas lideradas pelo regime estão semeando o terror nos bairros da classe trabalhadora de Porto Príncipe em detrimento da população. O governo os utiliza como uma força de repressão. Este último, presidido por Jovenel Moïs, é apoiado pelo "Core Group", composto pelos Estados Unidos, Canadá e França. A intervenção destes poderes no jogo político nacional se soma à de atores externos como or grupos de "ajuda internacional", assessores estrangeiros ou ONGs que dominam a ajuda humanitária. Diante de todos esses atores, os grupos de resistência de jovens estão se organizando. O movimento popular que vem ocorrendo no Haiti nos últimos dois anos é de grande alcance e está ancorado a longo prazo. Ela está se preparando para uma longa e difícil luta para enfrentar o regime do Presidente Jovenel Moïse.

Haïti: une révolution qui vient de loin, 4 de fevereiro de 2021

Em 7 de fevereiro de 1986, Jean-Claude Duvalier foi enviado pelos Estados Unidos para a França após 29 anos de governo ditatorial e o assassinato de milhares de cidadãos. Seu governo foi notavelmente apoiado pelos Estados Unidos, França e Canadá. Após sua partida, os Estados Unidos entregaram o poder a uma junta civil-militar liderada pelo general Henri Namphy. Os movimentos de revolta que se seguiram a sua partida foram marcados por intensa violência. Lutas interindividuais ou interclãs também irromperam e levaram à multiplicação das candidaturas presidenciais, apoiadas pela Casa Branca. As eleições abortadas de 1987 levaram ao massacre de eleitores após as ameaças dos Duvalierists de interromper o dia de votação. Desde então, muitos desastres econômicos e sociais ocorreram no país, mas a luta do povo haitiano para acabar com a miséria continua.

Dimensões internacionais

Haïti: la communauté internationale à contre-courant, 8de fevereiro de 2021

Por mais de dois anos, um movimento social sem precedentes contra o empobrecimento e a corrupção, a negligência do governo e sua cumplicidade com gangues armadas vem sacudindo o Haiti. Desde o início de fevereiro de 2021, uma greve geral organizada por uma coalizão de sindicatos tem sido amplamente seguida. A comunidade internacional se alinha com Washington e continua a apoiar o presidente, que no entanto "abusou abertamente da situação" de acordo com a Federação da Ordem dos Advogados do Haiti.

Haïti: Le Canada doit cesser tout appui à Jovenel, 7 de fevereiro de 2021

A Concertação para o Haiti está escrevendo uma carta de abertura em apoio aos muitos grupos da sociedade civil haitiana que estão chamando as pessoas ao redor do mundo a "demonstrar solidariedade com o povo haitiano em seus esforços para se livrar do regime criminoso, retrógrado, corrupto e ditatorial". A carta pede o fim do apoio da comunidade internacional ao regime criminoso e inconstitucional de Jovenel Moïse e o respeito ao direito do povo haitiano à autodeterminação.

Stop Silence Haïti, 28 de janeiro de 2021

82 organizações do Haiti, França, Bélgica, Canadá, Espanha, Alemanha e Benin estão se unindo em uma campanha "Stop Silence Haiti" para acabar com o silêncio e a cumplicidade internacional com o governo haitiano, que pratica amplamente a corrupção e o abuso de poder. O chamado inclui o fim do silêncio e da indiferença que sufocam as exigências haitianas e o fim da impunidade no Haiti.

Haïti: les nouvelles manipulations du Core Group, 5 de dezembro de 2020

O Grupo Central (Core Group), um órgão de apoio ao regime atual, pediu uma renovação democrática antecipada para o Haiti em 2021. Os líderes da oposição tradicional expressaram sua insatisfação com este desejo de acelerar o próximo processo eleitoral. Consideram que é falho, inconsistente e ilegal. Alguns membros da oposição convocam a população a se mobilizar para derrotar qualquer eleição nas atuais condições de crise sócio-econômica e insegurança.

Haïti: les États-Unis complices de la répression, 5 de setembro de 2020

Em novembro de 2019, o Departamento de Estado dos EUA firmou um contrato para o fornecimento de "kit(s) anti- motim(s)" com a Polícia Nacional Haitiana. O apoio financeiro dos Estados Unidos à polícia haitiana é emblemático do fortalecimento do status quo do Haiti através da assistência dos EUA. Este equipamento fornecido por instituições americanas é utilizado para reprimir violentamente demonstrações. Além disso, as armas fabricadas nos EUA estão abastecendo o mercado haitiano e acabando nas mãos de grupos criminosos, resultando na morte de muitos civis.

Haïti: Les pays occidentaux ont financé la parodie de démocratie, 22 de agosto de 2020

Lyonel Trouillot é um romancista, poeta, jornalista e professor de literatura e relembra os dramas vividos por seus companheiros haitianos. Em particular, ele aborda o tema da falta de apoio do Ocidente ao povo haitiano que luta por uma verdadeira democracia, sob o pretexto do formalismo. As demandas do povo haitiano concentram-se nas profundas mudanças que precisam ser feitas no funcionamento do Estado, nas relações sociais e na defesa das liberdades.

Uma potência deliquente

Haïti: la faillite d’une politique de reconstruction

Em fevereiro de 2010, o devastador e mortal terremoto que atingiu o Haiti destruiu muitas das cidades do país e causou um número considerável de mortes. Após o desastre, o governo abordou o projeto de reconstrução como um "apoio à transformação do Estado" em direção a uma reconstrução mais equilibrada da sociedade nos níveis social, ambiental e territorial. O atual fracasso deste projeto pode ser explicado pelas escolhas políticas neoliberais feitas pelo governo haitiano, juntamente com a continuação deste programa sob a égide de um órgão projetado e dirigido por "estrangeiros" no campo político e econômico.

Haïti: il faut arrêter les kidnappings, 9 janvier 2021

Todos os dias no Haiti, pessoas são seqüestradas, mantidas em cativeiro e liberadas apos pagamento de resgate, ou executadas se o resgate não for pago. O laxismo das autoridades aliado à demolição de contra-poderes legislativos e judiciais pelo atual governo contribui para a impunidade dos autores desses seqüestros.

Haïti: le rôle des milices dans les massacres, 5 de janeiro de 2021

Dois decretos relativos à criação de uma agência nacional de inteligência e ao fortalecimento da segurança pública publicados pelo governo Moise-Jouthe foram fortemente criticados por seu ataque às liberdades individuais e ao funcionamento de grupos de oposição. Um deles endossa a formação de uma nova milícia armada com mais poderes do que o judiciário ou a polícia. Esta última medida vem no seguimento dos 40 anos de operação do Estado haitiano através das milícias paramilitares.

Haïti: un régime autoritaire soutenu par le crime, 13 de dezembro de 2020

A aliança de poder com quadrilhas criminosas levou a massacres particularmente violentos. Este é particularmente o caso do massacre de 13 de novembro de 2018 em Porto Príncipe, no bairro popular de La Saline, perpetrado com o objetivo de reprimir e aterrorizar os participantes de manifestações. Este massacre resultou pela primeira vez na adoção de sanções pelos Estados Unidos contra figuras-chave do regime. Os Estados Unidos, "fazedores de reis e principal ator político do Haiti", tinham até este evento demonstrado um apoio infalível ao Presidente Jovenel Moïse, apesar do colapso do país.

Haïti: entre les massacres et l’impunité, 24 de novembro de 2020

Em novembro de 2020, os haitianos continuaram a exigir justiça peloo massacre no popular distrito de Saline, cometido em 13 e 14 de novembro de 2018. A polícia, embora alertada, não interveio para deter os assassinatos com machados, facões, decapitações e estupros cometidos durante esses dois dias de massacre. Estes eventos receberam pouca cobertura da mídia e foram pouco denunciados pelos Estados Unidos, França, União Européia ou outros organismos internacionais e pelo Presidente Jovenel Moïse. Desde então, vários outros massacres já ocorreram. A campanha internacional "Stop Silence Haiti" visa pôr um fim ao silêncio e à impunidade que prevalece na situação.

Haïti: un gouvernement illégitime face à la crise sanitaire, 14 de outubro de 2020

As dívidas coloniais, as ocupações estrangeiras, as injunções do FMI empobreceram o Haiti, que é extremamente vulnerável à pandemia da covida-19. Esta história explica o fracasso da infra-estrutura sanitária existente, além da falta de credibilidade e transparência do Governo e as acusações de corrupção feitas contra eles na gestão da crise. O PAPDA (Platforme Haïtienne de Plaidoyer pour un Développement Alternatif) insta o Estado haitiano a tomar medidas adequadas relacionadas à alimentação para enfrentar a crise alimentar e nutricional causada pela pandemia.

Oposição e movimentos populares

Haïti: accord historique de l’opposition, 4 de fevereiro de 2021

Várias organizações da oposição e partidos políticos concluíram um acordo que prevê e organiza um Conselho Nacional de Transição. Este Conselho Nacional de Transição deve ser capaz de assegurar a implementação da transição de governança após o término do mandato de Jovenel Moïse em 7 de fevereiro de 2021.

Haïti: au-delà de la crise sanitaire, l’auto-organisation populaire, 14 de maio de 2020

A pandemia é um ataque direto à ideologia neoliberal que tem sido aplicada desde o início dos anos 80. Ela questiona a prioridade dada ao mercado global sobre o mercado local, a onda de privatização e comercialização de serviços públicos, e a centralidade da agenda do capital financeiro no Haiti. Medidas específicas e concretas devem ser adotadas para enfrentar a crise e fornecer apoio econômico e social à população.

Haïti: les racines de la colère, 28 de fevereiro de 2020

A raiva contra a carestia e a corrupção está na raiz do movimento social que vem sacudindo o Haiti desde julho de 2018. Foi desencadeado pelo anúncio de um aumento de 38% no preço da gasolina. Este anúncio veio somar-se à indiferença demonstrada em relação às demandas dos trabalhadores têxteis por um aumento do salário mínimo, bem como à votação do orçamento que confirma o seqüestro do poder público pela elite em 2017. Além desses desafios no nível econômico, há também os relacionados ao seqüestro da missão de serviço público das instituições em geral.

Haïti: comment les femmes secouent le monde politique, 19 de janeiro de 2020

O movimento de mulheres haitianas está dando uma enorme contribuição para a identificação das realidades nacionais sobre os temas da violência contra mulheres e meninas, participação política, impunidade, soberania nacional e a luta contra o obscurantismo. Elas ocupam um lugar central quando surgem problemas a nível nacional, a fim de fazer exigências e elaborar diretrizes. Apesar da vontade manifestada pelos atores externos que se impuseram após o terremoto de 12 de janeiro de 2010 para deslegitimá-las, elas conseguiram ocupar um lugar importante nos debates políticos sobre muitos assuntos.

Haïti: «au-delà des barricades, les femmes veulent construire l’avenir», 12 de janeiro de 2020

O movimento feminino no Haiti se posicionou em cada uma das crises que atravessaram o país de tal forma a fazer perguntas fundamentais através de um posicionamento político sem precedentes. Suas lutas são ilustradas sobre os temas da corrupção e da violência estatal, e estão no centro da luta pela transformação da sociedade. Organizadas fora dos partidos e instituições em que não são aceitas, denunciam o vínculo entre a violência da crise atual e a concepção tóxica da masculinidade.

HaÏti: la question de l’insurrection, 5 de novembro de 2019

A crise das estruturas de poder no Haiti se reflete na auto-aniquilação da oligarquia, na dispersão dos núcleos de poder localizados em Washington e nos Estados Unidos, e na incapacidade da oligarquia política de se emancipar das agências de "desenvolvimento" do Norte. O processo de destruição do Estado poderia ser concluído se a insurgência em curso no Haiti fosse transformada em uma revolução. Esta etapa ainda não foi atingida, em particular devido à fragmentação das organizações de esquerda. Para chegar a esta etapa, é necessário agir para a unificação dos grupos de esquerda, o estabelecimento de idéias claras e compreensíveis para a neutralização da oligarquia e da violência e o estabelecimento de um programa social de emergência.

Haïti: rien de moins qu’une révolution, 29 de setembro de 2019

No Manifesto do Movimento dos Revolucionários Ayyans (RARA) são propostos vários eixos estratégicos para realizar um projeto de reconstrução nacional e assim resolver a profunda crise que está assola o país. Dizem respeito à defesa da soberania nacional, à reconstrução da economia nacional, ao desenvolvimento da pessoa humana, à regeneração e proteção do meio ambiente, e à derrubada das relações de dominação, dependência e exploração.

Contribuições de Sonia Fayman

"Nou Pap Domi", estes ativistas que querem reinventar o Haiti, 29 de dezembro de 2019

Um artigo de François Bonnet publicado em Mediapart que explica o nascimento de uma contestação política fora dos partidos tradicionais.

Haiti: Jovenel Moïse só partirá se não tiver mais o apoio de atores internacionais, 9 de fevereiro de 2021

Uma entrevista com Frédéric Thomas na TV5 Monde sobre a grave crise política e institucional que afeta o Haiti.

Haiti: o dossiê PetroCaribe em três palavras

Artigo de Frédéric Thomas na carta do CETRI que explica o escândalo Petrocaribe, fonte de raiva generalizada no Haiti por causa da corrupção.

Huit Femmes Haïtiennes: Regards Croisés (5)

Entrevista de Sabine Lamour, socióloga haitiana, conduzida por Frédéric Thomas.

Irresponibilidade, uma habilidade dos dominantes

Artigo de Sabine Lamour sobre as relações de gênero na esfera de dominação no Haiti.

Haiti: um movimento feminista entre avanços e retrocessos

Artigo na carta do CETRI, de Marie Frantz Joachim, ativista lingüista e feminista, sobre as vozes das mulheres no Haiti nos campos da política e da economia, confrontadas com a violência contra as mulheres.

Madame La Lime et la gamine de Duvivier, 9 de fevereiro de 2021

Com suas palavras de escritor revoltado, Lyonel Trouillot denuncia o papel da comunidade internacional na crise que está atingindo o Haiti.

Haiti: a comunidade internacional vai à contra corrente, 9 de fevereiro de 2021

Artigo de Frédéric Thomas do CETRI, sobre a situação no Haiti e os riscos de manter Jovenel Moïse no poder.

Ver online : Dossier Haïti

Navigation

Journal des Alternatives, une plateforme altermondialiste

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS