Dossiê : Protestos e rebeliões na Birmânia

, par  Collectif, Europe Solidaire Sans Frontières

Protestos e rebeliões na Birmânia

Protests in Myanmar
Protesters against the military coup in Myanmar
Ninjastrikers

Dossiê atualizado em 5/05/2021

Em 1o de Fevereiro de 2021, o exército birmanês (Tatmadaw, em birmanês), liderado pelo General Min Aung Hlaing, tomou o poder pela força, derrubando o governo de Aung San Suu Kyi eleito em Novembro de 2020.

Em reação ao golpe, o povo birmanês mobilizou-se em massa e uma grande parte da população tomou as ruas para expressar a sua oposição à junta. Os trabalhadores entraram em greve a uma escala sem precedentes, e os funcionários públicos também pararam de trabalhar, paralisando o país.

O regime reagiu com uma repressão sangrenta que resultou em várias centenas de mortes.

Enquanto a comunidade internacional parece impotente para enfrentar a situação na Birmânia, os opositores do regime pretendem continuar a luta pela democracia. Perseguidas durante décadas, as minorias do país tomaram o lado da oposição e estão a liderar a luta por todos os meios. Os apoiadores do movimento nacional de desobediência, confrontados com a repressão militar, também parecem querer optar por esta alternativa.

Birmânia: do que estamos falando?

Mapas da Birmânia - Geografia, grupos étnicos e demografia, geopolítica

Carte de la Birmanie
Carte des régions birmanes

Birmânia : uma cronologia do século X a 2018

Retrospectiva histórica da situação na Birmânia desde o Império Mon, às invasões mongóis, passando pela invasão britânica e depois pela independência, às guerras de guerrilha, à discriminação das minorias e aos inúmeros golpes de Estado que o país conheceu.

Um Novo Myanmar? - A criação de uma Democracia Federal continua a ser uma possibilidade distante

Se a situação preocupante em Myanmar não augura nada de bom para o futuro do país, é importante ressaltar que a construção da unidade nacional nunca foi realizada, independentemente do regime político e da natureza dos seus líderes, que apenas mantiveram o domínio da maioria em detrimento das minorias que lutam há décadas pelo seu reconhecimento e independência.

Apesar da repressão violenta, o povo birmanês continua a resistir

Myanmar. A violência da junta é recebida com a recusa da população em aceitá-la

Apesar da intensificação da repressão em Myanmar., a junta tem de enfrentar uma oposição feroz e cortes drásticos no seu financiamento, sobretudo devido às sanções internacionais e à retirada das multinacionais estrangeiras do país, sob pressão dos ativistas dos direitos humanos.
Além disso, há o surgimento do Movimento de Desobediência Civil que luta para recuperar a democracia.

Um país à beira do colapso e uma comunidade internacional lenta a reagir

A Birmânia está à beira do colapso

Richard Horsey, especialista do International Crisis Group: "Myanmar à beira do colapso do Estado

A Birmânia está à beira do colapso e o golpe de Estado não conseguiu estabelecer firmemente a sua autoridade sobre o país. Os serviços públicos estão num impasse, a população está mobilizada e aproxima-se uma grande crise econômica, social, humanitária e de saúde.

No seu discurso ao Conselho de Segurança da ONU, Richard Horsey sugeriu que os militares birmaneses fossem avisados do risco de colapso do Estado resultante da repressão violenta do regime e ressaltou a relevância de uma decisão a favor de um embargo de armas.

O sistema bancário da Birmânia paralisado

Os prestadores de serviços financeiros informais de Myanmar tiram partido da crise bancária pós-golpe

O sistema bancário birmanês tem estado completamente parado há semanas e a obtenção de capital tornou-se muito difícil. Uma das únicas formas eficazes é utilizar prestadores de serviços financeiros que tirem partido da situação para cobrar taxas adicionais exorbitantes.

As Nações Unidas instam a comunidade internacional a agir

Intensificação sistemática e generalizada das mortes causadas pelos militares de Myanmar. deve ser interrompida – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos

Tal como na Síria em 2011, o Estado está respondendo aos protestos pacíficos com um uso desproporcional de força. A violenta repressão já resultou em várias centenas de mortes, no deslocamento em larga escala de pessoas e na prisão de vários milhares de pessoas.
A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apela aos países vizinhos para que exerçam pressão militar sobre o regime birmanês e para que facilitem o acesso à ajuda humanitária.

A apatia das potências regionais do sudeste asiático.

A Exclusão do Governo de Unidade Nacional da ASEAN (NUG) na Conferência Desaponta Myanmar

ASEAN prepara-se para realizar uma conferência sobre a situação na Birmânia em que o líder da junta participará mas nenhum representante da oposição. Os ativistas anti-regime denunciam esta legitimação dos líderes golpistas e não esperam muito da organização regional do sudeste asiático, especialmente devido aos países aliados à junta que a compõem.

A oposição cria um governo paralelo

Coligação: Quem é Quem no Governo de Unidade Nacional de Myanmar. (NUG)

A fim de pressionar o regime golpista, a oposição criou um governo paralelo composto principalmente por membros do governo eleitos em Novembro passado e derrubados pelo golpe de Estado em 1o de Fevereiro.

Multinacionais denunciadas em função da atuação no financiamento do Regime

Info Burma, Justiça para Myanmar., Repórteres sem Fronteiras e Sherpa congratulam-se com a retirada da empresa francesa Voltalia após um ano de conversações

A empresa francesa Voltalia anunciou a sua retirada de Myanmar, após um ano de protestos de várias ONGs que denunciaram as suas ligações com empresas acusadas de apoiar financeiramente a junta militar.

1992-2021: gigante petrolífero francês continua a apoiar a falida junta de Myanmar

Apesar das numerosas pressões internacionais, Total continua a produzir gás na Birmânia e a exportá-lo através de empresas controladas pelo regime, gerando receitas substanciais para este último.

Apelamos à TASAKI para que termine os negócios com a junta militar de Myanmar, após a condenação americana de Myanmar Pearl Entreprise


As ONGs Justice for Myanmar and Human Rights Now apelam à empresa japonesa TASAKI para cessar todos os negócios com a Myanmar Pearl Enterprise, uma empresa controlada pela junta e condenada pelos Estados Unidos por financiar o regime.

A tensão aumenta novamente entre o exército e as minorias

Grupos étnicos armados entram em conflito com a junta

A luta continua entre KIA e Tatmadaw no norte de Myanmar

O exército birmanês intensificou a sua presença em territórios povoados por minorias e as batalhas armadas foram retomadas no Estado de Kachin, onde os combatentes independêntistas se recusam a reconhecer a autoridade dos líderes militares golpistas.

Militares de Myanmar sofrem pesadas baixas em combate feroz com grupos étnicos
Grupos

Em resposta à repressão do regime militar contra manifestantes pacíficos, grupos armados de minorias intensificaram as suas ofensivas contra os militares, causando baixas significativas.

60 anos de repressão da Rohingya

O impacto da democratização na questão de Rohingya em Myanmar: (2011-2021) - "Qualquer esforço de democratização sem abordar a questão de Rohingya fracassará"

Desde o golpe de 1962 que levou a primeira junta militar do país ao poder, os Rohingya, que estão predominantemente presentes no Estado de Rakhine, têm sido alvo de uma repressão feroz que continuou mesmo sob o governo mais liberal da Liga Nacional para a Democracia de Aung San Suu Kyi.

Face à repressão, a resistência se organiza

Perante os elevados riscos envolvidos, os manifestantes pacíficos estão a desenvolver novas estratégias

Myanmar: ’Nunca nos ajoelharemos’: Protestos mudam de táctica face ao aumento do número de mortes

A repressão sangrenta em curso em Myanmar não diminuiu a determinação dos manifestantes, que se esforçam em apresentar novas ações de protesto, menos arriscadas.

O movimento operário está muito envolvido na oposição à junta

Face aos massacres, os trabalhadores de Myanmar estão combatendo o golpe

Desde o golpe de 1o de Fevereiro, o movimento operário tem estado muito ativo na luta contra o regime e apesar da declaração da lei marcial nas cidades industriais e da repressão sangrenta de várias greves, os trabalhadores pretendem continuar a luta.

Birmânia/Myanmar - "Queremos a democracia de volta": apesar das dificuldades, os pobres de Rangum prometem lutar

A comunidade operária está na vanguarda do protesto na Birmânia, apesar das dificuldades financeiras causadas pelo fechamento de muitas empresas e pelo êxodo maciço dos seus camaradas para as zonas rurais.

Perante a repressão militar, a população se volta à luta armada

Em Myanmar, à medida que o assassinato de civis continua, alguns decidem que está na hora de pegar em armas

Muitos manifestantes pacíficos, impotentes perante a repressão armada do regime que mata dezenas de pessoas todos os dias, decidiram abandonar as cidades e pegar em armas para organizar uma resistência mais eficaz.

Myanmar – A ’Revolução Tumi’’: Manifestantes ripostam na Região Sagaing

Na região de Sagaing, um foco de protestos na Birmânia, os manifestantes estão a contra-atacar, pegando em armas, combatendo as forças de segurança do regime e pretendendo desenvolver uma verdadeira guerra de guerrilha para contornar a repressão.

Navigation

Journal des Alternatives, une plateforme altermondialiste

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS