Novas guerras, deslocamento e securitização

, par  DRÉANO Bernard

Novas guerras de deslocamento (ruptura)? Elas são diferentes das guerras "antigas" entre Estados-nação. Eles ocorrem dentro de países ou certas regiões. Eles não se opõem diretamente aos Estados, mas envolvem uma multiplicidade de atores, exércitos, várias milícias, bem como forças armadas externas.

Essas novas guerras nascem de crises sociais. Longe de ser o resultado da competição entre países, elas nascem do fracasso dos governos nacionais e autoridades públicas, de sua incapacidade em lidar com a decomposição social. Uma vez que essas crises geram conflitos armados, grandes potências, potências regionais e países vizinhos intervêm sistematicamente.

A securitização é a transformação politicamente dirigida dos problemas sociais em questões de segurança: os governos definem certos problemas políticos ou sociais como "ameaças" (por exemplo, os migrantes) e, portanto, empregam meios especiais (militares, legais, políticos, ideológicos ...) que restringem e destroem os direitos fundamentais. Na prática, essas políticas públicas cada vez mais orientadas para a segurança significam menos segurança para os cidadãos.

Nesse contexto, um “complexo de segurança militar” está se desenvolvendo em torno de corporações ativas nos setores militar e civil, servindo tanto a intervenções militares externas quanto a políticas de controle interno. As operações "securocráticas" são lideradas por grandes ou pequenas potências. Segurança insegura leva a um aumento nos gastos com armas e, mais genericamente, gastos com segurança, para o benefício desse "complexo".

Navigation

Journal des Alternatives, une plateforme altermondialiste

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS