movimento social e cidadão

20 artigos

  • Argélia: Hirak, um movimento de longa duração

    , por Plateforme altermondialiste, Saïd Djaafer

    Algumas semanas antes de 22 de Fevereiro, quando o regime tapou o "buraco" da presidência, os escritos já decretam o "fracasso" do Hirak, que é acusado de ter sido demasiado "radical" ou não suficientemente radical, de se ter recusado a "negociar", de não se ter "estruturado", de não ter "representantes". Outros apontam para a falta de "pureza ideológica" de um movimento que inclui uma gama bastante ampla das correntes ideológicas e políticas do país.

    Aqueles com pressa em decretar o fracasso de Hirak são frequentemente os que procuram as mãos "invisíveis" puxando os cordoes. Mas, ao ser moldado por um sistema perverso, acabam por não se ver o que é visível: uma sociedade que se pôs em marcha para se reapropriar de um Estado privatizado há demasiado tempo em benefício de pequenos grupos e em detrimento da maioria. Este movimento é inestimável e não vai parar.

  • O colapso começou. É político

    , por Alain Bertho

    À medida que as revoltas irrompem por todo o mundo, governar hoje é cada vez mais como fazer uma guerra aberta ou encoberta contra as revoltas dos povos e dos seres vivos, para manter a todo o custo uma ordem cada vez mais desacreditada. O antropólogo Alain Bertho rescreve para a revista Terrestres sobre esta "crise de governamentalidade" e sobre a longa seqüência de revoltas relacionadas que a causaram.