As muitas questões colocadas pela Declaração de Balfour

, par  Joseph Massad, The Electronic Intifada

O texto de Joseph Massad evoca o surgimento na Europa cristã e imperial do século XIX da "Questão Oriental" (transbordamento do Oriente no Ocidente e da "Questão Judaica" ; persistência do Oriente no Ocidente), cuja resolução foi buscada através do colonialismo de povoamento naquilo que foi chamado de "Questão da Palestina".

Massad recorda a antiga fonte palestina do judaísmo e do cristianismo e o paradoxo dos cristãos medievais que partiram ao Oriente Médio durante as cruzadas (primeiro sionismo cristão), acusando igualmente os convertidos ao judaísmo de matar o Cristo palestino.

Após este retorno histórico que permite um novo olhar sobre as relações entre o Oriente e o Ocidente, Massad aborda os diferentes tipos de respostas dos judeus europeus ao ostracismo do Ocidente, incluindo o sionismo - que despertou a hostilidade do maioria dos judeus – e as estratégias de alianças dos sionistas com outros grupos.
A pré-história da Declaração de Balfour é o ponto de viragem do século 20, quando Joseph Chamberlain, conhecido anti-semita, aliado de Herzl, lançou as bases para esta declaração, buscando uma alternativa para acolher judeus para o Reino Unido face aos Pogroms da Europa Central. E a imigração judaica da Europa Oriental foi efetivamente banida em 1905.

O texto continua com uma menção ao antisemitismo de Balfour e de Churchill, assim como sobre a estratégia britânica visando desviar os judeus da Europa Central do comunismo promovendo a sua emigração para a Palestina. Finalmente, o Reino Unido ainda depende da Declaração de Balfour, e Joseph Massad acusa a Autoridade Palestina de pedir apenas uma desculpa a Theresa May.

Navigation

Journal des Alternatives, une plateforme altermondialiste

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS