Grupos de trabalho

O propósito de um grupo de trabalho é construir um processo de apoio ao debate, uma espécie de "kit" e de "componentes" de pensamento estratégico que estão à disposição dos movimentos sociais, livremente disponível e distribuível. Cada grupo define o seu método de trabalho. Há pelo menos um moderador do debate para o grupo de trabalho. O grupo pode ser realizado em parceria com uma ou várias revistas, sites e editoras. Os arquivos são construídos a partir de artigos, entrevistas e trabalhos identificados. A especificidade é primeiro de começar pelas perguntas e os pontos de vista dos movimentos sociais. É também de confrontar diferentes pontos de vista segundo as regiões, as línguas, os tipos de movimentos, as temáticas.

Últimos lançamentos

Desde a ocupação de lugares culturais até à assembleia dos Comuns

, por Frédéric Sultan, Michel Bauwens

A cultura do povo está agora a transformar os movimentos sociais e políticos, a educação popular e a participação dos cidadãos. Não há nada como observar as formas de organização dos activistas com base em assembleias abertas, governação colegial, eleições sem candidatos, ferramentas e princípios da federação, para perceber o impacto dos bens comuns no domínio político.

Nossa seleção de março

, por PeopleKonsian

Este dossier sobre hip hop e movimentos sociais apresenta diferentes artistas cuja música está intimamente ligada ao seu compromisso político e militante. A sua música e letra estão inextricavelmente ligadas às suas origens e às lutas pelos direitos das suas comunidades que delas derivam.

Sobre o apartheid segundo B’Tselem

, por As-Safir Al-Arabi, Majd Kayyal

A decisão da organização israelense "B’Tselem" de descrever pela primeira vez como "apartheid" o regime em vigor nas áreas sob controle israelense lançou muitos debates. No entanto, esta posição não reflete um questionamento radical da essência racista e colonial de Israel.

YouTube viola os direitos digitais dos palestinos

, por Al-Shabaka, Amal Nazaal

Os palestinos estão relatando cada vez mais que seus direitos digitais estão sendo violados por plataformas de mídia social, incluindo o YouTube. Amal Nazzal examina as políticas problemáticas do YouTube e oferece recomendações para proteger os direitos digitais de ativistas palestinos, jornalistas e defensores dos direitos humanos.

Mais populares

Hip-hop e movimentos sociais

, por CICP, PeopleKonsian

Vetor de lutas sociais e políticas e das lutas cotidianas nos bairros populares, o hip-hop é uma ferramenta de denúncia, defesa e promoção de movimentos sociais. Por meio do rap, da dança ou do grafite, o hip-hop pode transmitir mensagens e tornar visível a solidariedade internacional e as lutas pela igualdade e contra todas as formas de dominação e discriminação. O surgimento deste movimento musical, cultural e social reflete uma certa democratização da música através de novas formas de expressões das classes populares.

YouTube viola os direitos digitais dos palestinos

, por Al-Shabaka, Amal Nazaal

Os palestinos estão relatando cada vez mais que seus direitos digitais estão sendo violados por plataformas de mídia social, incluindo o YouTube. Amal Nazzal examina as políticas problemáticas do YouTube e oferece recomendações para proteger os direitos digitais de ativistas palestinos, jornalistas e defensores dos direitos humanos.

O anti-sionismo é uma rejeição do racismo e do imperialismo, não apenas uma crítica a Israel

, por Eyad Kishawi, Liliana Cordova-Kaczerginski, Max Ajl

O Grupo de Trabalho Palestina d’Intercoll publica dois textos sucessivos sobre a questão do sionismo, que consideramos cruciais para a compreensão da situação na Palestina.

Este segundo texto, escrito por três ativistas anti-imperialistas que atuam em diferentes países, coloca imediatamente o sionismo no campo colonial e imperialista.

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS