Dossier intercoll: Movimentos sociais em Hong Kong

, par  Coline Proy

Desde março de 2019, Hong Kong tem sido palco de uma série de manifestações eopondo cidadãos, a administração local e o Estado chinês continental. Como em outras partes do mundo, essas mobilizações difusas e complexas fornecem análises diferentes e às vezes diametralmente opostas.

Como parte do programa Echanges et Partenariats, uma voluntária Intercoll pôde observar os eventos no local e preparar um dossier com dez artigos em francês e inglês sobre o tema. Neste texto, você encontrará assim um resumo e um link para o artigo original.

Hong Kong : la mobilisation continue

Europe Solidaire Sans Frontières

Embora Carrie Lam tenha anunciado recentemente a retirada do projeto de extradição, este artigo fornece dados sobre o executivo de Hong Kong. Tais manobras estando marcadas por hesitações e uma aparente reviravolta: a retirada do projeto só agora começou e esta sujeita a uma votação dos oficiais eleitos pró-Pequim. O artigo também explica o processo eleitoral em Hong Kong e a influência da China no sistema eleitoral. Por último, quatro das exigências dos manifestantes ainda não foram satisfeitas e o anúncio é tardio e insuficiente. A mobilização continua apesar das pressões, prisões, ferimentos, demissões, suicídios, etc. Europe Solidaire chama, pois, à solidariedade internacional, esperando que a participação estrangeira não se limite ao fornecimento de equipamento repressivo à polícia.

Chine : derrière les manifestations à Hong Kong

Plateforme altermondialiste

Esta é uma entrevista com ativistas e intelectuais de esquerda de Hong Kong. Este artigo permite a reintegração das manifestações de 2019 num regime político e económico único no mundo. Isso lança luz sobre o movimento face às lutas sociais e cívicas dos últimos anos, sejam elas separadas ou convergentes. Além disso, este artigo destaca as várias configurações do movimento, os mal-entendidos, os paradoxos, entre todas as vítimas do autoritarismo no trabalho e das inseguranças sociais e econômicas. De acordo com os entrevistados, não devemos distinguir entre lutas sociais e lutas cidadãs, num regime capitalista que se orgulha de defender as liberdades para as desprezar. Finalmente, este artigo analisa o lugar da esquerda em Hong Kong e seu posicionamento no movimento de protesto.

Four features of the current situation in Hong Kong

Borderless Hong Kong

Este é um artigo de Taiwan que explica a incursão do Gabinete de Ligação controlado pela China no governo de Hong Kong. Carrie Lam e sua administração são descritas como fantoches, o que as faz perder toda a legitimidade com o povo de Hong Kong. O autor explica o estatuto especial de Hong Kong pelo facto de Pequim querer colaborar com as potências ocidentais durante algum tempo, o do desenvolvimento económico, que está a chegar ao fim. Ele explica as múltiplas ramificações do controle chinês a todos os níveis. Ainda que o texto possa parecer um pouco tendencioso por vezes, ele entretanto descreve bem a porosidade das instituições - em vez de uma binaridade Hong Kong/China - bem como a particularidade de Hong Kong enquanto local de convergência e presença de interesses contraditórios que têm causado esta situação.

Leadership collapses, Hong Kong disintegrates

CETRI

O atual caos em Hong Kong seria uma admissão de fracasso por parte de Pequim. Segundo o autor, a repressão é orquestrada pela China, que reúne e mobiliza seus peões. As administrações dominadas pela China seriam obsoletas, baseadas numa ideologia mais do que na realidade do povo de Hong Kong. A mudança perigosa dos acontecimentos é descrita, com o aumento da violência e a polícia de choque tendo rédea solta para responder violentamente. A questão que se coloca, em particular para os manifestantes, é a seguinte: o que irão receber no final e à custa de quantos dos seus próprios manifestantes?

A Global Path through the Hong Kong Dilemma: Towards a New Internationalism

Made in China

Este artigo coloca o movimento de protesto num contexto regional e global. Segundo o autor, a situação é uma reação sintomática a um sistema global desigual, e existem equivalentes em outras partes do mundo. É, portanto, um convite a sair do antagonismo entre a China e Hong Kong, que não é negado, mas não resume a situação. Além disso, é necessário um intercâmbio com a China para fazer avançar a discussão. Mas isso não parece estar sendo o caminho tomado, com uma focalização generalizada em torno de questões identitarias, que se expressa no populismo liberal de Hong Kong e no nacionalismo antiliberal da China. Além disso, o autor preocupa-se com a polarização dentre China e Estados Unidos em torno do capitalismo e defende um novo internacionalismo, baseado no progressismo e na escuta, que deve unir-se em torno de questões como o ambiente, a igualdade, o direito do trabalho, etc.

Hong Kong in Turnmoil

Made in China

Este é o diário de um intelectual que regressou a Hong Kong durante um verão muito agitado. Neste mergulho subjetivo, ele relata a atmosfera, guia-nos pelas ruas de Hong Kong, ajuda-nos a decifrar os traços literarios - cartazes, slogans, cartas suicidas - e pinta um retrato das manifestações que não são facilmente acessíveis na imprensa. À medida que as observações e os testemunhos são feitos, os desafios do movimento são gradualmente relembrados. Trata-se, de fato, de um texto amilitante de um observador, que, no entanto, revela uma certa diversidade de opiniões entre os seus proximos.

Anarchists in the resistance to the extradition bill

Chuang

Esta é uma entrevista com um grupo anarquista de Hong Kong. Ela fornece uma análise política do contexto de Hong Kong, enfatizando que filtros e palavras usuais são ineficazes na descrição do que está acontecendo. Encontramos questões como a sujeição económica, da quual os atores no terreno não estariam necessariamente conscientes. Destaca também as semelhanças com o movimento dos guarda-chuvas, embora este movimento o exceda em número, velocidade, técnica e modos de ação. A proporção militante/espectador explodiu e os manifestantes estão prontos a arriscar a prisão. As grades de leitura já não são apropriadas e é ainda mais difícil montar um discurso, uma narrativa unificadora. O artigo também decifra os desafios, os preconceitos e a percepção da esquerda em Hong Kong, bem como a virada à direita nos últimos anos. Finalmente, o grupo entrevistado considera que o movimento não é acompanhado por uma consciência política muito afiada, mas parece admirar o alcance e a eficácia da luta.

Hong Kong ou l’angoisse de la contagion autonomiste

Libération

Este artigo relata o processo durante um longo período de tempo e descreve a particularidade de Hong Kong como parte do mosaico de identidades dentro do mundo chinês. Há também a questão da auto-suficiência da legitimidade do partido, uma miragem de uma nação chinesa milenar. Para preservar o seu poder, a última carta da China face a possíveis reivindicações é o nacionalismo, o patriotismo. No entanto, Pequim enfrenta a impossibilidade de estabelecer um passado e uma experiência comuns entre populações muito diferentes, inerentes a um território tão vasto. Há relatos de que a China teme um contágio após as manifestações em Hong Kong.

En Chine, l’impossible débat sur Hong Kong

Le Monde

Este artigo descreve o tratamento jornalístico do movimento de protesto de Hong Kong pelo governo e mídia chineses e a percepção resultante da população chinesa. Parece que a informação, depois de suprimida, é completamente tendenciosa: propaganda e notícias falsas são comuns. Diz-se que o movimento é o resultado da manipulação por parte de forças estrangeiras, velhos democratas, e os manifestantes são sobretudo radicais que querem independência. Além disso, qualquer pessoa que relatar informações mais matizadas é censurada, denegrida ou perseguida, como um traidor da nação. O nacionalismo do discurso oficial não é, de fato, absolutamente oculto, uma tendência que se tornou mais pronunciada na China nos últimos anos.

A Hong Kong, la police face au peuple

Le Monde

Este artigo descreve as tensões entre a outrora exultada polícia e os manifestantes. Em primeiro lugar, salienta que, atualmente, a única ferramenta que o governo está a utilizar para gerir a crise é a polícia e não a negociação. A violência policial está presente desde o início do movimento, que se tornou mais radical. O artigo denuncia o laxismo da polícia ao lidar com as tríades e o laxismo das autoridades ao lidar com a violência de seus subordinados. O mal-entendido mútuo e a rejeição de ambos os lados está a aumentar. Até mesmo a população começa a se ressentir de sua própria polícia, por ter se desviado de seu código moral, e é rejeitada e denegrida mesmo fora do desempenho de suas funções. A polícia reage visceralmente àqueles que equiparam a parasitas, mas não necessariamente pelo seu apoio à China, como Pequim nos quer fazer crer. Além disso, a corrupção policial é destacada e alguns policiais renunciam porque já não se reconhecem em sua posição.

Navigation

Siga Intercoll.net

Redes sociais - RSS